Catrina estava calada. Imersa em seus pensamentos, ela navegava em seus sonhos.
- Catrina - Zayn segurou-a no braço.
- Sim? - ela respondeu indiferente.
- Mais um dia e chegaremos a Londres. Creio que você não está preparada para isso. Mas foi tu que quis ir. Segundo meus calculos estamos perto de uma amiga minha. Venha, quero dar-lhe um presente.
Ela concordou quieta.
Andaram mais um pouco, enquanto Zayn puxava o cavalo até um simpatico casebre. Catrina pensou tratar-se de algum pobre campones, mas quando Zayn bateu a porta e uma moça abriu trajada com um vestido fino, ela percebeu que havia se enganado.
- Zayn? Meu Deus, Zayn - ela gritou e abraçou o moreno beijando suas faces - eu fiz um terno pra tu e achei que nunca iria usa-lo. Hellena estava desesperada achando que nunca iria se casar.
Ele sorriu e saiu da frente da porta, revelando uma Catrina confusa para a moça.
- Quem é essa Zayn? - a jovem indagou desconfiada.
- Seu nome é Catrina. Harry queria desposa-la mas sumiu.
- Uma vez Styles, sempre Styles. Olá Catrina. Eu sou Genevieve. Uma das costureiras mais famosas da nossa pequena Londres - ela gabou-se.
Catrina apenas concordou com a cabeça, dando um pequeno sorriso.
Zayn a olhou confuso mas logo tratou de entrar na casa.
- Quero que faça um vestido para Catrina. Do melhor tecido que tiver.
- Zayn, posso falar com você um instante? - Genevieve sussurrou.
Ele negou com a cabeça a apontou para Catrina. Ela suspirou e tirou algumas medidas da moça.
- Ela é magra. Tenho um vestido aqui que servira bem nela. Venham aqui Catrina.
Catrina olhou para Zayn. Ele se sentia vulneravel ao olhar dela. Ela estava irritada. Em pouco tempo perderia a paciencia. Mas por enquanto apenas permanecia calada.
Seguiu Genevieve até um pequeno atelie onde modelos de vestidos estavam por toda parte.
Ela desabotou o vestido de Catrina, despindo-a e em seguida colocou um novo espartilho na moça. Enquanto ajeitava a moça, Genevieve resolveu explorar a moça.
- Então Catrina. Já conheçe Hellena?
- Não faço ideia de quem é.
- É a noiva de Zayn.
O coração de Catrina se acelerou. Ela sentiu uma leve tortura e apoiou-se na parede.
- Vejo que ficou mexida ao saber de que ele tem noiva - ela replicou arrumando as saias de Catrina.
- Não me importo que ele tenha noiva.
- Teve algo com ele?
Catrina lançou um olhar gelido à moça. Ela sempre fora boa com olhares. Genevieve calou-se e voltou a arrumar. Não havia um espelho visivel mas Catrina pode espiar que o vestido era vermelho com rendas pretas. Genevieve prendeu seu cabelo num coque na tentativa falha de tomar os cachos de Catrina.
- Ele tirou sua castidade? - ela insinuou.
Catrina perdeu a paciencia e deu-lhe um tapa no rosto.
A moça deu um berro e Zayn surgiu encontrando Genevieve no chão, assustada.
- Pelos deus Catrina. O que você fez? - ele berroy
- Ela mereçeu. Ninguem me ofende e fica impune Malik.
Ela arrancou o vestido, revelando seu corpo nu e andou a passos duros até a porta. Zayn arfou ao ver a moça. Ele tentava se controlar mais a cada dia.
- Catrina - ele gritou pegando-a pela cintura - não pode sair assim.
- Saio do jeito que quiser - ela replicou - por Odin. Nunca fui tão humilhada.
Ele puxou seu corpo para o encontro do dele e sussurrou em seu ouvido.
- Catrina

Catrina escutava os passos de Zayn sobre a grama fria coberta pela neve branca. Seu nariz estava vermelho e ela sorriu quando ele o entortou um pouco, o deixando com uma aparência meiga. Ele franzina o cenho cada vez que dava um passo e aquilo estava incomodando um pouco Catrina. Começara a nevar fazia algumas horas, mas ainda era pouco. Ela se pegou pensando na irmã. Mas depois afastou os pensamentos. Becca saberia se virar, mesmo com Catrina tendo a literalmente a abandonado.

- Estamos perto – ele sussurrou.

- De Londres?

- Sim, Catrina. Lembra-se de nosso trato? Assim que chegamos em Londres eu não precisaria mais cuidar de você.

Ela o olhou confusa.

- Tudo bem – disse com voz tremula.

- Você achou que eu iria te acompanhar não? Vou te dizer algo Catrina. Ninguém aproveita muito tua companhia.

- Não pedi para que me acompanhasse – ela disse olhando as árvores vastas.

A Inglaterra medieval não era um lugar exatamente hospitaleiro. Os romanos a haviam invadido algum tempo atrás e os moradores não eram amistosos. As tribos haviam sido aniquiladas. Os anglo-saxões agora dominavam. As guerras contra os vikings já eram escassas.

Louis suspirou baixo, pensando nas histórias cliches em que a garota nerd se apaixonava pelo badboy e no final ficavam juntos. Aquilo nunca poderia aconteçer com ele, por mais que se iludisse. Primeiro por que: ele era um garoto. Segundo por que: ele havia saido da escola há tempos. Terceiro por que: ele tinha uma queda pelos olhos verdes do seu mordomo.

Após tantos anos ela percebeu que as nevoas do tempo não haviam apagado o que eles sentiam. Ela mergulhou novamente na imensidão de seus olhos azuis. O vento batia em seus cabelos cor de ebano. As bochechas coradas por causa do frio a deixavam com uma aparencia adoravel. Ninguem saberia que era manipuladora, fria, calculista, cinica. Uma deusa erotica. Que havia entregado seu corpo tempos atrás ao garoto à sua frente. E que ele à havia abandonado. Seus olhos cintilaram, crueis e sanguinarios.
Vingança.
Ela faria ele pagar por te-la abandonado.
“Niall, querido, se passaram cinco anos não?”
Mesmo que isso signifique ama-lo novamente.

Zayn encarou o céu azul escuro a sua frente. Seus pensamentos formavam um turbilhão de ideias e tirar o plano de Catrina da cabeça. Ele não podia deixa-la. Não que gostasse dela. Ele estava apenas sendo uma alma caridosa. Ele não estava apaixonado por ela, era o que repetia incansavelmente a cada segundo. A jovem dormia tranquilamente ao seu lado “nos braços de Morfeu” deus do sono. Ele não resistiu a tentação de toma-la em seus braços e acaricia-la. Pegou Catrina no colo delicadamente e repousou sua cabeça em suas pernas. A moça abriu os olhos e o encarou ferinamente.
- O que pensa que está fazendo Malik?
Ele não respondeu. Apenas levou os dedos as amarras do corpete da moça e os puxou. A luz do sol ainda estava longe de ser descoberta e a moça tentou recuar se levantando. Isso apenas piorou a situação fazendo Catrina ficar semi despida apenas com um vestido transparente que usava por baixo. Zayn ea encarou com desejo. O coração da jovem saltitava indesiso. Se ela iria se casar por que não faria aquilo apenas um pouco anes do casamento? Ela jurou não tocar em homens mas o moreno fazia seu corpo pulsar. Ela queria faze-lo sofrer. E subtamente os ensinos de Becca de como pegar um homem começaram a fazer efeito.
Zayn puxou Catrina em sua direção. A grama roçava o corpo dos dois. Os dedos do moreno passeavam em sua nuca fazendo cariçias. Seus lábios roçavam sua clavicula com desejo. Os lábios do moreno pousaram sobre os de Catrina que arfou quando sua lingua entrou e explorou cada pequeno canto da boca. Ela arranhou as costas de Zayn e o beijou no pescoço. Seu corpo ansiava por isso. Ele levou os dedos a barra de sua saia. Levantou-a deixando Catrina exposta apenas de calcinha. A grama roçava suas costas. Zayn abriu de leve suas pernas fazendo o rubor subir as bochechas de Catrina. Os labios do moreno estavam vermelhos e ele arfava enquanto tocava a cintura de Catrina. Quando ele ia levar as mãos aos seios de Catrina ela o repreendeu com um tapa. Confuso, o moreno passeou os dedos entre o meio umido das pernas de Catrina. Ficou satisfeito ao ver que o tecido claro da peça estava banhado. Abriu as pernas da moça e arrancou a unics proteção. Catrina recuou assustada. Sabia que não deveria fazer aquilo. Mas ele a impediu de recuar. Esfregou seus longos dedos na intimidade da moça. Ele percorria-a toda parecendo procurar algo. Algum tempo depois seus dedos encontraram algo que fez Catrina suspirar. Ele abriu mais as pernas da moça e deixou mergulhar a cabeça em seu meio. A lingua tocava seu ponto sensivel a fazendo revirar os olhos. Catrina sentia um liquido escorrer dela e Zayn o sugar com vontade. Algum tempo depois quando Catrina sentiu que iria chegar ao apice Zayn parou arrancando da moça suspiros de raiva. Ele ficou satisfeito com essa reação e desfez o nó da calça deixando a mostra sua ereção que por sinal estava dolorida.
A moça ignorou os protetos de Zayn e empurrou o moreno de volta as suas pernas. Zayn com medo de acordar Harry massageou o ponto da moça diversas vezes até uma sensação irreprivel atingir o corpo dela e Catrina não conseguir segurar um gemido alto.
Zayn tentou novamente fazer algo com a moça mas ela simplesmente o encarou e sorriu.
- Volte a dormir Malik

- Eu não tenho medo de você. Sei que não
é principe. Principes não andar por essas
matas.
- Tudo bem. Solte-na - o garoto gritou. Eles
soltaram Catrina e ela o encarou
ferinamente. - Vai me dizer o que é agora senhor? Ou
terei de cortar tua garganta?
- Eu sou um dos empregados da corte
jovem.
- Quer impressionar as moiçolas se
fingindo de principe não? - Vejo que tu eres diferente. Como é seu
nome?
- Catrina Crais - Mergulhando nos olhos
claros do jovem rapaz Catrina viu a
oportunidade de sair da vila. Não queria
ser uma garota rica que usava vestido com saias vastas e corpetes a sufucando.
Queria apenas ser livre. E naquel rapaz
rapaz vestindo calças justas ela viu seu
futuro.
Apertou seus olhos e lágrimas cairam
deles. Teria de ser uma triaz. - Você me desrespeitou. Agora que me viu
sem vestes meu pais não vão me querem
deixar colocar os pés dentro de vossa
casa. Estou arruinada. Vou morrer jovem e
sem dentes comida pelos predradores da
floresta. Agora terá de me levar junto para onde vá.
O garoto arregalou os olhos.
- Eu… Sinto muito. Se quiser eu te levo
comigo.
Era isso que Catrina queria ouvir. Suas
lágrimas pararam de cair e ela sorriu docemente.
- Òtimo. Vou arrumar minha coisas.
O rapaz não teve tempo de piscar e
Catrina já estava montada em Finulla o
olhando com uma cara tediosa.
- Vai me levar para a cidade grande ou não senhor?
Ele sem abrir os lábios montou em seu
cavalo e confuso chamou seus
companheiro que olharam sem entender
para a garota que os seguia montada em
sua egua negra. Zayn não sabia como havia concordado em leva-la, só sabia que
quando os grande olhos da moça se
enxeram de lágrimas ele se sentiu perdido
e teve de leva-la junto.
Catrina estava satisfeita consigo mesma.
Seu plano estava saindo muito bem. Ela não sabia direito como iria se livrar dos
garotos, mas armada com seu arco e
flecha estava satisfeita.
Catrina só não sabia que para se livrar
daquele garoto seria algo mais dificil.

Catrina encarou os homens que a
cercavam. Ela sabia que o garoto a sua
frente não era principe. Seus 17 anos de
vida não eram inocentes. Mas ela também
sabia que ele era rico. Suas vestes
impecaveis eram de seda fina. - Bem senhor. Eu sei que não eres
principe. Não sou uma garota que caio
nesse tipo de conversa.
Ele a encarou divertido e sussurrou:
- Vejo que não eres qualquer uma
senhorita. Podem solta-la companheiros. Relutantes seus amigos soltaram Catrina
delicadamente.
Catrina via naquele moreno de olhos
provocantes a chance de sair de sua vila
pacata. Ele não parecia muito intelegente.
Apenas um garoto que se fingia fazer parte da realeza com alguns
companheiros. Catrina sabia o que fazer.
Nunca teve tanta certeza de algo em toda
sua vida.
- Agora o senhor me desrespeitou. Meus
pais não me deixarão mais colocar meus pés em vossa casa. Estou desonrrada. O
senhor me viu sem vestes a agora retirou
cruelmente toda minha pureza. Ficarei a
merçe dos lobos das florestas parar ser
ingerida sem pena pelos predadores
vorazes que a abitam. Serei morta se o senhor não me levar para a cidade grande
comvosco - Catrina gemeu com os olhos
cheios de falsas lágrimas.
O garoto surpeso com a explosão da
menina não viu alternativa sem ser
concordar. - Bem senhorita, creio que eu poderia
leva-la comigo.
Catrina secou suas lágrimas rapidamente,
subiu em sua egua Finulla e o olhou com
uma expressão tediosa.
- Vamos ou você vai ficar me encarando? Ele ficou surpreso com a mudança
repentina de comportamente dela.
Chamou seus companheiros que o
encaram confusos com a presença da
garota jovem.
Finulla trotava com Catrina em seu lombo. Zayn estava surpreso com a habilidade
que Catrina tinha em cavalgar.
Quando o bando deixava a pequena vila
ouviram os gritos agudos de algo que
deveria ser uma garota.
Era Rebecca. A irmã mais velha de Catrina. - Catrina Crais. Onde pensa que vai?
- Vou aonde quero. Eres minha irmã não
minha mãe.
- Vai fugir? Eu vou junto.
- Rebecca! Não vai junto não.
- Contarei á nosso irmão. - Pra tu quer ir junto Becca?
- Pelo mesmo motivo que você Catrina.
Por favor deixe-me ir.
- Nem sabes cavalgar - Catrina replicou
com desdem.
- Eu aprendo. Posso roubar um cavalo ou cavalgar atrás no cavalo de um desses
senhores - Becca falou olhando
descaradamente para um loiro.
- Deixe ela ir - do nada Zayn se
manisfestou.
- Cala-te. Não mandei abrir tua boca - Catrina replicou.
- Eu nem sei seu nome - ele rebateu - por
que me calaria?
- Sua Catrina Elizabeth Mary Beatrice
Crais. E você é Zayn Malik.
- Sim sou eu - ele respondeu um pouco assustado com a quantidade de nomes
que Catrina possuia.
- Tudo bem Becca. Suba atrás de um
desses cavalos. Não quero reclamações.
Becca subiu habilmente atrás do cavalo do
garoto loiro. Zayn não entendia por que estava levando Catrina consigo mas
quando os grandes olhos da garota se
enxeram de lágrimas ele não conseguiu
regeita-la.
- Quantos anos tens? - ele foi
surpreendido pela voz da garota. - 23 - ele respondeu automaticamente.
- Vens da onde?
- Da capital. Moro perto da terra de Gales.
- Faz o que aqui?
- Conquisto garotas. Não preciso de
trabalho. - Garotas são terras?
- Não. Por que?
- Terras são conquistadas. Garotas são
pessoas.
Ele arregalou os olhos com o tanto que
Catrina era sabia. Ela é bem jovem, pensou ele.
- Bem… Acho que…
- Se mulheres consuitassem homens não
seria bonito não é? - Catrina o
interrompeu.
- Não, mulheres são feitas para ter filhos. - Sim, são. Mas se elas não quiserem?
- Deus as castiga.
- Homens são feitos para que?
- Para trabalhar e conquistar.
- Então tu vai para o inferno, de encontro
com Hades. - Mas por que?
- Por que tu vadia pelas ruas em vez de
trabalhar.
- Tu também vai.
- Eu já estou nele - ela respondeu
simplesmente. Zayn estava surpreso com a inligencia da
garota baixinha ao seu lado. Ela não era
como a irmã que reclamava
abundantemente dos mosquistos. Ela era
quieta e atenta. Feroz como uma leoa e
traiçoeira como uma cobra.

Corri em direção ao portão ignorando os
chamados de Harry. Eu estava confusa e
atordoada. Harry berrou algo para um
segurança do portão e ele foi fechado na
minha cara. Os braços dele me
envolveram e me tiraram de lá. Minha cabeça doia e aos poucos tudo foi
apagando.
Acordei não sentindo meu corpo. Olhei em
volta. Eu estava deitada no chão. Mais
precisamente na grama. Àrvores me
cercavam. O vento batia constantemente em seus galhos fazendo um estralhar
agradavel.
Virei a cabeça. Harry dormia ao meu lado.
Sua cabeça repousava nas mãos e suas
palpebras tremulavam de leve. Deixei
esse momento para refletir sobre o que eu havia ouvido. Pelo que eu ouvi, a garota
doente era eu. Mas o que eu tinha? Será
que era cançer ou algo do tipo? Problema
do coração? Niall se encaixava aonde
nisso? Minha cabeça doia com tantas
perguntas. Eu estava absorvida em meus pensamentos até que os tão conhecidos
olhos verdes se abriram e me fitaram.
- Olá Lizzie.
- Harry…
- Xii - ele disse colocando os dedos em
meus lábios. - Não Harry. Eu quero explicações.
- Eu… Acho que não sou a pessoa certa pra
te falar isso.
- Harry. Me diga. Tudo desde o começo.
- Sabe Lizzie? Quando a gente se
conheçeu não foi muito bom… E do nada eu me lembrei de tudo. Ou
quase tudo.
~Flash Back On~
- Niall! - Berrei - vem aqui. Tá me trocando
por esse seu amigo?
Eu havia voltado á aquele escola. Eu tinha estudo lá há anos mas tinha saido por ter
levado um murro de um garoto. Aquele
garoto de olhos verdes me era familiar. Eu
tinha feito amizade com Niall pois ele era
meu vizinho.
- Ah Lizzie. Esse é o Harry. Harry essa é a Lizzie.
- Olá Lizz - ele disse numa voz rouca. Senti
pequenos calafrios ao apertar a mão dele.
- Oi - respondi sem graça.
Depois daquele dia nossa amizade foi
crescedo. E as rivalidades entre Harry e Niall também.
- Niall, eu aposto como você não soncegue
pegar aquelea garota.
- Harry, você sabe que eu não gosto disso.
De usar as garotas.
- Você é um covarde - Harry berrou. Eu sempre tinha que separar brigas do tipo.
Mas eles se amavam mais que irmãos.
Meu primeiro beijo foi com Niall. Eu não
sabia que era apaixonada por Harry
naquela epoca. Estava encostados na
parede do banheiro. Era só um selinho longo e inocente.
Eu devia ter uns 12 anos.
Harry me narrava a historia e eu á via
exatamente como uma lembrança de um
filme.
- Lizzie! Eu preciso falar com você - Harry gritou me puxando.
- Harry? Aconteceu algo?
- Eu descobri algo Lizz. Sobre você.
- Não seja bobo Hazz. Eu te conto tudo da
minha vida.
- Mas você não sabe. É sobre você e seu pai.
- Hazz, mas como você descobriu isso?
- Bem, você me ensinou o velho metodo
de ouvir atrás das portas.
- Mas o que exatamente você ouviu ?
- Parece que seu pai está envolvido em
algo grande. Muito grande.
- Ele é matador? - Não Lizzie. Pare de ver filmes policiais.
Ele e sua mãe brigam muito?
- Que eu saiba não.
- Bem, parece que você nasceu com algo.
Algo no coração. Eu não sei o que é. Mas
isso compromete sua vida. - Isso é algum tipo de brincadeira?
- Eu não sei. Mas seu pai faz testes em
pessoas para achar sua cura.
Eu não pude abrir a boca para responder.
Papai estava atrás de Harry. Ele nos
olhava com uma expressão indecifravel. - Bem Harry. Acho que fala demais não?
- Senhor Westmacott? Me perdoe… Eu não
queria.
- Não queria mas fez. Eu sabia que você
não era o tipo de amizade certa. Com esse
seu pai policial sempre se metendo em meus negocios. Rapaz, você tem que
aprender que empresarios internacionais
nunca fazem nada certo. Mary Elizabeth
por favor me deixe a sós com Harry.
Eu saí relutante. Mas não por muito
tempo. Fiquei atrás de uma árvore frondosa do parque da escola.
- Harry, você sabe que depois que escutou
isso nada vai ser igual não é?
- Eu sei senhor. Me perdoe. Eu deveria
saber que o senhor percebeu que eu
escutei. - È dificil enganar um velho lobo como eu
garoto.
- Eu sinto muito - Harry sussurrou baixinho
com os olhos virados para o chão.
- A doença da Elizabeth é simples e
controlada. Diferente da mãe. Com o tempo pode piorar mas meus cientistas
descobrirão a cura em breve.
- O que ela tem?
- è também conhecico como “coração
aberto”, eu não sei explicar garoto não
sou cientista. Mas eu sei quem quer ser. - Quem? - Harry indagou com os olhos
arregalados.
- O namorado da Elizabeth oras. O garoto
loiro tem otimas notas de biologia.
Melhores que a media.
- Ele não é namorado dela! - Não tenho tempo parar crises de ciumes.
- Como sabe as notas dele?
- Nada que um velho lobo não saiba
garoto. Vamos lá. Preciso que traga o loiro
para mim. Quero que meus cientistas o
treinem. - Eu não vou fazer isso.
- Você não tem opção. Ou é isso ou ela
morre.
- Não liga para a vida dela?
- Não. Eu ligo para a vida da minha
esposa. Filhos eu posso ter outros. - Trarei Niall por ela. Mas não acho que ele
será grande coisa.
-Garoto, não há nada que eu não entenda.
Confie em mim. E lembre-se: você se
meteu num caminho sem volta.
~Flash Back Off~ - Ah algumas coisas que no momento não
são necessarias você saber Lizz. Seu pai é
perigoso.
- E a minha doença?
- Ela foi curada há tempos.
- Mas… Eu ouvi Niall falar. - Seu pai não sabe que descobrimos a
cura. E Josh é empregado dele.
- Por que não contaram a ele? Querem
deixar minha mãe morrer?
- Bem Lizzie, eu sinto muito. Mas ela
morreu antes do seu acidente. - Mas…
- Niall quer se formar em biologia. Mas seu
pai não deixa. Niall é bem inteligente e Sr.
Westmacott acha que ele é propiredade
dele. Não dificil pra Niall colocar valvulas
falsas no seu coração. - Eu fui operada?
- Olhe dentro da blusa. Em baixo do seu
seio esquerdo.
Me virei para Harry não me ver levantar a
blusa e constatei uma pequena cicatriz
quase invisivel. - Eu estou tão confusa Harry… Há algo
mais que eu deva saber?
- Claro que há Lizzie mas no momento
não.
- Harry? Onde você se encaixa nisso?
- Bem… Eu sou o herdeiro Lizzie. - Que herdeiro?
- O herdeiro dos negocios sujos de seu pai.
Sou eu quem comanda eles. Por isso Jake
quer tanto você. Por que você é meu
ponto fraco. Cada movimento de seu pai é
incrivelmente planejado. Todo o tempo que você vagou nas ruas ele sabia onde
estava. Acho que ele sabe que estamos
aqui.
- Eu não entendo Harry. Eu perdi a
memoria por culpa dele?
- Não Lizzie. Acho que não. Vamos esqueçer isso um tempo certo? Por favor.
Eu não planejava te contar certas coisas
tão cedo.
Deitei minha cabeça em seu pescoço e
fechei os olhos.
Harry começou a cantar uma musica baixinho: ela era estranha e me dava
calafrios. Eu a conhecia de algum lugar.
Bem vindo à loucura
Deixe o sangue ferver dentro de sí
Nada pode chegar à sua altura
Sinta o panico Criança, você chegou ao seu limite
Seus olhos estão turvos, cheios de
lágrimas
Seu corpo está tomado por magoas,
não deixe o desespero te tomar
Não deixe a loucura te levar Eu vejo tudo negro e escuro
Nunca diga, eu juro,
Você não vai voltar
È um caminho sem volta. Tenho medo de
amar.
Não deixe que ela te toque. Sinta as pontas frias de seu dedos
Ela trás a tona todos os seus medos
Você pode chegar as estrelas
Está tão longe, seus olhos veem coisas que
não existem.
Seus braços já não mais resistem Ah criança. Ela já te levou
Diga adeus á tudo que já amou
Se um dia alguem te contasse
Que te encontrou sozinho e abandonado
Ela lhe retirou tudo o que lhe foi dado
Eu não iria me surpreender Não se esconda. Ela vai te ver.
Você está condenado.
Sim criança, a loucura chegou.
Harry sorria enquanto cantava.
- Eu escrevi essa musica quando descobri
que estava apixonado por você.

Eu estava um pouco confusa quando Emilly se levantou do chão e me encarou.
- Lizzie querida. Ciumenta como sempre não é? Hazza me avisou - ela falou pensativa. Quem ela pensa que é pra chamar ele de Hazza?
- Hazza? Que intimidade!
- Oh querida. Não brigue comigo. Já fui completamente louca por Harry Styles mas hoje em dia sinto apenas amor fraternal por ele. O tempo que você esteve fora quem cuidou dos dois fui eu. No começo fui contratada como secretaria mas depois começei a cuidar dos dois com amor. Você não sabe o quantos esses garotos sofreram por você Mary Elizabeth Kathleen Westmacott.
Me arrepiei quando ouvi aquele nome. Era meu nome completo. Eu nem sabia que me chamava Kathleen. É bonito, eu acho.
- vou te contar tudo o que aconteceu depois que você sumiu. Sabe por que? Não é por que sou sua amiga. É porque quero que saiba que seus meninos sofreram. E também quero que saiba que daqui há um tempo ele vão se cansar dessa menina de cabelos cor de fogo e olhos verdes. Cheia de sardas. Sem peitos. Magrela. Masoquista. Cheia de defeitos. Problematica. Você é passado deles. Você é o verão passado deles. Eu eu sou o verão atual. Acha mesmo que eles se guardaram pra você? Niall tentou mas um dia consegui droga-lo e leva-lo pra cama. Harry foi na primeira semana. Ele estava magoado com você Elizabeth. Você magoou o cara errado.
Agora o Harry era o cara certo? Ok isso está confuso mesmo. Deixei ela continuar de falar. Meu coração estava batendo forte. Assimilei cada de suas palavras. Elas doiam. Eu era só uma masoquiista problematica. Eu era só isso. Isso doeu mais que uma facada.
- Sabe Elizabeth por que eles vieram atras de você? Só pra provarem pra si mesmos que eles podem te ter. Pense nisso querida.
Ela saiu com um soriso falso na boca. Cade meu estilete? Preciso esfaquear alguem. Pouco depois Niall entrou sorrindo.
- Sai daqui seu filho da puta. Você só quer me conquistar pra provar que é melhor que o Harry.
- Oque? Lizzie como você tem coragem de falar isso? Você sabe o que eu passei pra conseguir dinheiro pra te procurar? Você em que eu me mati? Sabe as burradas que eu fiz por você?
Ele me envolveu em um abraço. Como depois de xingar ele tinha coragem de me abraçar? Senti um pequeno arrepio quando ele roçou os labios nos meus. Eu te amo, ele sussurrou. Te amo mais que todas as estrelas juntas. Te amo do tamanho que a imaginação pode suportar. Você é unica. Unica e para sempre.
Sem pensar completei.
- A imaginação é pequena demais pra caber tanto amor.
Seus olhos azuis ficaram mais escuros e cheios de desejo. Ele roçou delicadamente seus labios nos meus. Isso é errado. Lizzie, ele sussurrou. Envolvi meu braços ao redor de seu pescoço. Sou umvadia, pense. Mas não importei. Abri os lábios. Ele ficou um pouco surpreso. Então fiz uma coisa estranha enfiei minha lingua na boca dele. . Ele apertou minha cintura. Passei a mão em seu cabelo cacheado. Era muito bom. Pera, cacheado? Abri os olhos e vi Heus olhos verdes cheios de desejo. Pisquvezee encontrei Niall me olhando confuso. Isso foi estranho.
- Eu não to passando bem.
Niall - me senti tonta e cai em seus braços quentes.
Quando acordei estava no t. Olhei para o ventilad virandhipnoeeo. O beijo de Niall erom, mo mparava ao de